Maratona de Software Livre de Volta Redonda

image

Uma sequência de eventos me concederão o poder de comprovar que se pode trabalhar sem perda de qualidade usando Linux e seus programas de código aberto. O primeiro deles começa agora nesta sexta, dia 29, em Volta Redonda.

A Maratona de Software Livre é um evento que incentiva o uso das distribuições Linux em vários campos da tecnologia. Minha contribuição, por exemplo, será para a computação gráfica. No sábado, dia 30, ministrarei uma longa oficina sobre como se aplicam as ferramentas opensource no dia-a-dia de um estúdio de ilustração e design. Usarei em tempo real os programas Gimp, MyPaint, Inkscape e Scribus para várias tarefas rotineiras de estúdios que usam ferramentas proprietárias para executar as mesmas funções.

Os quatro programas que mencionei são ótimos softwares e minha missão é mostrar que têm poder e complexidade suficiente para praticamente aposentar as caras licenças Adobe, Microsoft e Corel.

As vagas para participação das várias oficinas são limitadas e quem quiser participar deve acessar o link do evento clicando na imagem acima.

Aguardo vocês lá.

K45VM – operação notebook!

Estamos de volta!
Estamos de volta!

Eis que estou inteiro inserido no padrão “mobile”. Depois do tablet, agora o notebook.

Entre os “habitués” de tecnologia é sabido que essas maquininhas, os notebooks, ou laptops, já respiram com auxílio de aparelhos desde quando os smartphones abriram espaço para a chegada dos tablets, que representam, hoje, uma significativa parcela da atividade em computadores móveis.

Meu desktop já não andava bem das pernas, mas por usar Linux o hardware parecia apenas dever por pouca memória RAM. Travar era quase uma lenda. Ainda hoje, meu filho de cinco anos o usa para jogar e assistir seus vídeos favoritos do Youtube.

Justamente para a situação em casa ficar mais democrática com o uso do computador, resolvi dar o braço a torcer e aceitar que precisava de uma máquina nova. Só que eu não queria perder tempo comprando os “pedaços” e quebrar a cabeça montando tudo para, no final, funcionar apenas a metade. A solução era comprar um desktop pronto, ou perder o preconceito sobre os notebooks. Preferi a segunda opção.

Adquiri um K45VM da Asus. Apesar de alguns relatos negativos de amigos muito honestos e sinceros, tive boa experiência com esta marca nas placas-mãe de meus computadores antigos. Meu próprio irmão, quem me converteu ao uso do Linux, sugeriu que a Asus estava, atualmente, tentando reposicionar a marca no mercado através de produtos com qualidade excelente. Principalmente na parte da inovação com os “mobiles”.

Depois que o notebook chegou foi a hora de apresentá-lo ao Linux. Sabia que perderia a garantia se trocasse o sistema operacional que veio de fábrica por outro o qual a Asus não dá suporte, mas meu objetivo estava em primeiro lugar e eu precisava pagar as prestações deste novo investimento.

A distribuição Linux escolhida foi o Mint, que funcionou muito bem nas três primeiras semanas, dando lugar a uma sequencia de congelamentos que lembraram muito o famigerado Windows. Após algumas tentativas de resolver o problema não encontrei uma solução por falta de tempo para buscar essa resposta junto à comunidade, então resolvi mudar de distribuição. Esse não é o melhor caminho. Todo usuário de Linux, quando consciente de sua escolha de SO, sabe que não adianta ficar mudando de distribuição quando alguma coisa não vai bem: melhor é tentar resolver o problema na própria distribuição através do suporte das comunidades. Mas minha pouca experiência com notebooks poderia exigir que a pesquisa fosse mais abrangente.

Estranho, e preocupante, para minha curta sabedoria foi ver o Mint funcionando perfeitamente (e sem congelamentos) no meu antigo desktop. Aquele que meu filho usa para brincar.

Não pude pensar muito então mudei de Linux Mint para Dream Studio Linux, uma distribuição nova que queria muito experimentar.

Problemas semelhantes e dois congelamentos de tela me desanimaram momentaneamente. Cheguei À conclusão de que tinha problemas com a GPU Nvidia, a qual dependia de um driver difícil de instalar. Tentei mais um pouco até estragar completamente o servidor gráfico mais três vezes.

Quando as ideias se esgotaram lembrei da estabilidade que experimentei com o Debian no passado, uma distribuição Linux pela qual desenvolvi grande simpatia. O problema é que o notebook se mostrava um ambiente alienígena, onde cada falha exibia que o caminho escolhido para instalação e calibragem do sistema estava errado. Aparentemente não poderia ser instalado de forma simples como no desktop.

Então, para minha surpresa, com o Debian a experiência foi notavelmente diferente.

Acabei encontrando um belíssimo tutorial que ensina cuidadosamente cada passo para a perfeita calibragem do Debian após a instalação. Funcionou tudo! Fiquei muito feliz de voltar a usar o Debian, principalmente por ser no notebook. A busca pela estabilidade terminou mais uma vez. Estou trabalhando com um sistema robusto e seguro, afinal.

O tutorial, longo mas perfeitamente eficaz, está aqui:

http://pqplinuxnodes.blogspot.com.br/2013/05/pos-instalacao-do-debian-7-wheezy.html

Depois de toda a calibragem, a satisfação foi o sentimento seguinte. Já tinha calos por passar apuros com Linux sem ter muito conhecimento. Eu também usava Windows e senti necessidade de usar sistemas mais estáveis, portanto eu escolhi passar esses apuros. O que eu não esperava era que isso me tornaria mais sábio junto ao sistema do pinguim. É o que costumo dizer atualmente: passar apuros com Linux faz seu cérebro expandir de tal forma que ele se recusa a encolher para caber de volta na caixa craniana. Desculpe por alterar um pouquinho o seu pensamento, Einstein.

Mas será que ficamos cabeçudos o suficiente para não passar mais por apuros? É claro que não! Tudo concorre para que fiquemos ainda mais cabeçudos.

Descobri um problema que não permite a montagem automática de meu HD externo NTFS. Isso é, atualmente, um problema do novo Debian. Um bug, e que no mundo Linux será corrigido nas próximas atualizações automáticas que certamente acontecerão nalguma madrugada enquanto eu estiver dormindo. Mas trabalhar com opensource faz você ficar com manias de grandeza: quero tentar resolver esse bug agora! Não vou esperar pela atualização.

Através de longas pesquisas no Google encontrei a resposta: o Debian 7, ou Wheezy, codinome com o qual foi batizado, comporta-se de forma diferente perante sistemas de armazenamento NTFS SE INSTALADO DE UM PENDRIVE DE BOOT. A solução imediata seria gravar uma imagem num DVD e executar a instalação novamente PELO DVD. Como tinha acabado de calibrar meu sistema, preferi executar alguns comandos pelo Terminal.

Li a respeito de um tal arquivo FSTAB no Fórum Debian. Ele é responsável por montar partições, cd-rom, disquetes, pendrives e compartilhamento de rede. Está localizado na pasta “/etc”. Com acesso de root, fui a essa pasta e abri o fstab com meu leitor de arquivos gedit. Precisava alterar o arquivo removendo a última linha referente ao pendrive:

Exclua apenas essa linha que aparece selecionada!
Remova apenas esta linha que aparece selecionada e salve o arquivo. Pronto.

O fstab é um arquivo essencial para funcionamento do sistema e, depois de danificá-lo umas vezes, aconselho salvar uma cópia de segurança para recuperação do mesmo caso seja apagada uma linha errada.

Após isso, senti falta de meus ícones do desktop. O Debian não os traz por default, então precisava torná-los visíveis. Como já tinha feito isso no Ubuntu Studio há anos atrás, quando ainda testava configurações no Compiz (um belíssimo gerador de efeitos para desktop), bastou lembrar o caminho para modificação da opção:

1- Clique no botão ATIVIDADES (o similar ao INICIAR do Windows, ou o símbolo do Ubuntu) e digite na caixa de busca “dconf Editor”

2- Siga o caminho: “org>gnome>desktop>background”

3- Marcar a opção “show-desktop-icons”

4- Pronto

Para mim este foi um processo bastante desgastante por não ser um expert, mas igualmente empolgante e satisfatório.

Situação hoje:

– O sistema está firme.

– Tudo funciona na velocidade mil por cento.

– Minha placa Nvidia está funcionando plenamente através do programa Bumblebee.

– Os plugins de vídeo me permitem abrir qualquer extensão.

Falta apenas configurar uma máquina virtual para meus testes e experimentos com novos operacionais que forem sendo lançados, mas a esta altura sinto que o Debian amadureceu o suficiente e fico muito feliz de o estar usando novamente em meu computador principal.

Ilustrando no Android

1356611933707

Adoro sketchbooks. Não é de hoje que ando com cadernos na mochila para “rabiscar” idéias no longo caminho entre casa e trabalho. Alguns amigos consideram a viagem um martírio incessante. Já eu continuo a preferir o itinerário demorado. Se conseguir lugar sentado ótimo. Se a condução tiver ar-condicionado maravilha!

Todas essas são chances para drenar mais um pouco da minha compulsão de desenhar sem parar.

Antes cadernos, agora, o tablet.

Relutei em usar este dispositivo, mas precisava desenhar e, se possível, enviar para aprovação via email.

Até que ele atendeu muito bem a essa minha demanda. O que eu não sabia era o quanto de qualidade um aplicativo poderia me oferecer. Quando conheci o Sketchbook Mobile, da Autodesk, fiquei surpreso com as possibilidades.

Não demorei a comprar a versão “Pro” em vista da versatilidade do programa. Não me arrependi. Hoje 60% de minha produção nasce na tela do meu Galaxy Tab 10.1, P-7510. O programa é tão bom que o tenho, inclusive, no celular para “rabiscos” mais ágeis em lugares onde um tablet de tela grande chamariam demasiada atenção.

Sobre o desenho com o Sketchbook Pro se pode dizer que ele exige certa adaptação de desenhistas mais “fluentes”. O traçado não é veloz. Quem desenha sem muita preocupação não sentirá esse “delay”, mas quem desenha profissionalmente, ou seja, sob pressão de entrega, logo “mais rápido”, sentirá incômodo quanto à resposta da velocidade do traço, mas nada que possa ser solucionado e acostumado.

O uso do dedo para desenho é agradável e sabendo controlar bem as velocidades de traço, obras completas podem ser geradas do zero. Mais uma vez, quando se trabalha sob pressão, o uso da caneta stylus se faz indispensável em virtude de suor e gordura provenientes da ponta dos dedos de quem produz sob pressão. Aqui o fator pressão psicológica inviabiliza a pintura ou desenho com os dedos. A tela precisa estar limpa.

E por falar em tela, devemos ter um mínimo de confiança na Corning (empresa que produz a tela de toque do Galaxy Tab) com sua tecnologia Gorilla Glass, onde o vidro promete ser à prova de arranhões. Digo devemos ter confiança porque, se for colada uma daquelas películas protetoras sobre a tela o trabalho torna-se irritante e nada produtivo em virtude do grande atrito gerado. O perfeito é desenhar sem a película.

Trabalho com o Sketchbook Pro há muitos meses, mas esta semana ele ganhou três atualizações que considero as mais esperadas por mim. Foi um autêntico presente de natal: resoluções maiores de tela, orientação para desenho vertical (retrato) e simulador de canetas e cores da marca Copic.

Mostrarei os resultados dessas atualizações para vocês na prática no próximo post.

Wacom cria uma Cintiq muito especial

A ferramenta que faltava para deixar o estúdio perfeito

Já conhecemos as fantásticas mesas gráficas Cintiq, mas essa foi criada especialmente para artistas gráficos. Se as outras já eram dispositivos indispensáveis no nosso cotidiano imagine uma onde todo o processo inicia e termina com toda comodidade possível. Pois é o que promete a novíssima Cintiq 24HD Touch, onde a experiência “multitoque” se alia aos níveis de pressão presentes na caneta tornando essa experiência muito mais adequada às nossas exigências.

Só para se ter uma idéia, se aliarmos valor à qualidade (essa é uma constante comparativa nos produtos Wacom), esta é a mais perfeita mesa gráfica do mundo, pois não sai por menos de 3700 dólares.

Inicialmente o mundo das indústrias de softwares gráficos experimentou uma nova preocupação: a experiência multitoque ainda não pode ser completamente usufruida em seus softwares atuais, criados originalmente para uso com teclas de atalho, mouses e, obviamente, canetas óticas normais.

Do meu ponto de vista (e talvez de muitos outros artistas gráficos) o multitoque abre um novo universo de possibilidades onde Adobe, Autodesk, Corel e as minhas queridas Canonical, Linux Foundation e a comunidade “open”, terão de desenvolver novas e criativas soluções que nos permitam total controle das funções dessa magnifica mesa gráfica.

Por enquanto, atenho-me a trabalhar mais e enriquecer, pois não será um equipamento acessível economicamente, quando estiver disponível no Brasil.

Um Pangolin muito preciso

image

Depois de muito bater cabeça para adaptar-me ao Ubuntu Oneiric Ocelot com as instabilidades dos efeitos gráficos e outros problemas pendentes de boas análises, eis que abril trouxe uma grande surpresa: o Ubuntu Precise Pangolin.

Já é tradicional meu aguardo de mais algumas semanas para baixar a versão “Studio” do Ubuntu, que sempre leva em torno desse prazo para ficar disponível.

A surpresa foi muito maior que eu esperava: o Ubuntu Studio Precise Pangolin estava disponível dois dias depois da versão original oficial, e não parou por aí. Não preparado para a surpresa, não dispunha de um dvd para gravação da imagem e fui buscar o tal aplicativo que permite a instalação através do pendrive. O medo iminente de isso ser um bicho de sete cabeças foi instalado no meu coração mais rápido que um “apt-get”.

A “frouxidão” foi dissipada nos primeiros minutos de observação do aplicativo UNetbootin (app que cria pendrives de instalação, chamados LiveUSB). Foi muito mais fácil criar um pendrive de boot do que queimar um dvd.

Ao colocar o pendrive no slot nova surpresa: ao invés de abrir um instalador, como era de costume nos meus dvds de instalação, foi iniciada uma sessão instantânea do novo Ubuntu. Não deu tempo nem de preparar o coração para o susto. O Ubuntu estava copletamente funcional na minha frente em menos de três minutos. Só levou o tempo do boot. Claro que essa era uma versão de “test-drive”. Perfeitamente possível trabalhar com ela, mas o ideal é deixá-la “assentar”definitivamente no HD para que o novo sistema faça uso de todos os recursos da máquina.

Então lá fui iniciar o instalador sem nem precisar reiniciar a máquina. Novo susto: depois de um particionamento muito simples, os programas foram tão rapidamente instalados que levei tempo para acreditar que o sistema tinha completado a instalação total.

Neste Ubuntu Studio 12.04 a escolha dos desenvolvedores em optar pela interface gráfica Xfce foi mantida e, aparentemente, aqui não há bugs com o Xfce. Estou tentando conter minha mania de “papagaiar” o desktop com efeitos demasiados e usufruir da velocidade que o Ubuntu oferece (e que meu antigo monocore permite).

Coloquei alguns aplicativos que não vêm com a versão e comecei a testar o poder do sistema.

Notavelmente mais rápido e estável que seu antecessor, o 11.10, Oneiric Ocelot. A interface gráfica Xfce confere uma simplicidade tão bem equilibrada que faz meu monocore parecer dualcore (e não estou brincando). Um dos pontos positivos do Linux é o fato de todas as versões serem suportadas, literalmente, pelas configurações mais modestas e antigas.

Os programas vieram com a maioria das bibliotecas completas. Me faltaram somente os pacotes Medibuntu, aqueles voltados para multimídia. Instalei mais rápido que uma anedota do Ary Toledo.

Um grande teste a que minhas instalações são submetidas é o “nível de saudades do Debian”. O “Linux mais legal con que já trabalhei”. Mesmo com toda a estabilidade e rapidez do querido Squeeze 6.0, insisto no Ubuntu que já me traz instantaneamente todas as ferramentas necessárias para o desenvolvimento de qualquer trabalho. No Debian tudo tem que ser feito “na mão”, só que é uma grande diversão. Modificar, alterar, construir, compilar no Debian Squeeze é uma experiência gostosa do universo Linux. Dá orgulho ver cada comando retornando um resultado positivo. Você “constrói” as características do seu Debian e ele fica mesmo com o seu jeito, a sua cara. Ele me levou embora de vez a possibilidade de voltar ao Windows e ainda me fez gostar das então assustadoras linhas de comando.

Só que, infelizmente, não tenho tempo para diversão, e o Ubuntu é muito mais “automático”. Estudar e aprender mais sobre os sistemas Linux será uma dedicação constante e dosada para não atrapalhar minha profissão principal que é ilustrador e designer.

Sem pestanejar, esse parece ser o Ubuntu mais estável desde o 10.04 Lucid Linx (considerado por mim e por muitos de meus amigos e familiares o mais estável dos Ubuntu). Resta saber se consigo fazer meu Xfce ficar tão atraente quanto o Gnome. Tudo indica que sim. Já alterei as janelas para um bela moldura que me lembra muito o design do H. R. Giger. Quando tiver uma aparência definida posto umas fotos.

Por enquanto, tratem de experimentar esta versão Precise Pangolin do Ubuntu e aproveitem a superestabilidade garantida por um sólido suporte de atualizações técnicas até 2017. Padrão das versões nomeadas LTS (Long Term Suport).

Time Lapse – Inkscape


Esse é meu primeiro “Time Lapse” com Inkscape. Antes eu chamava esse tipo de vídeo de “Speed Painting”, fazendo menção ao grandioso artista Nico DiMattia, do qual sou fã e que me apresentou a técnica de fazer vídeos em velocidade acelerada para demonstrar sua técnica de pintura digital. Achei a idéia muito interessante e resolvi imitar. Foi aí que, ao compartilhar uns vídeos no grupo de discussão de ilustrações Ilustragrupo, do qual participo, recebi um esclarecimento uanto ao uso correto do termo “speed painting”. Na verdade, nada ele tinha a ver com a técnica do Nico, que também o utiliza erroneamente. Speed painting são aquelas pinturas em grande escala onde o artista plástico faz quadros de forma muito rápida usando as mãos, pincéis, brochas e, por vezes, o próprio corpo. A ação costuma se dar ao vivo, em eventos característicos.

Portanto, o amigo Newton Verlangieri, do Ilustragrupo, chamou-me a atenção para a bem-vinda correção: o nome desta técnica de se produzir vídeos se chama Time Lapse. Agradeço ao nobre profissional. Prova de que sua dica perpetuará será a adoção do termo nos vídeos que produzirei daqui em diante.

Nesse “primeiro time lapse” demonstro uma ilustração concebida em Inkscape, o formidável software de desenho vetorial da categoria open source. Observem com carinho mais um dos brilhantes produtos da engenharia colaborativa “open” em ação.