Maratona de Software Livre de Volta Redonda

image

Uma sequência de eventos me concederão o poder de comprovar que se pode trabalhar sem perda de qualidade usando Linux e seus programas de código aberto. O primeiro deles começa agora nesta sexta, dia 29, em Volta Redonda.

A Maratona de Software Livre é um evento que incentiva o uso das distribuições Linux em vários campos da tecnologia. Minha contribuição, por exemplo, será para a computação gráfica. No sábado, dia 30, ministrarei uma longa oficina sobre como se aplicam as ferramentas opensource no dia-a-dia de um estúdio de ilustração e design. Usarei em tempo real os programas Gimp, MyPaint, Inkscape e Scribus para várias tarefas rotineiras de estúdios que usam ferramentas proprietárias para executar as mesmas funções.

Os quatro programas que mencionei são ótimos softwares e minha missão é mostrar que têm poder e complexidade suficiente para praticamente aposentar as caras licenças Adobe, Microsoft e Corel.

As vagas para participação das várias oficinas são limitadas e quem quiser participar deve acessar o link do evento clicando na imagem acima.

Aguardo vocês lá.

Creative Suite 2 free: um mal-entendido

Creative Suite 2 free: um mal-entendido

Por algum tempo, foi bom para sonhar. Eu, acostumado ao mundo do opensource, achei de cunho realmente evolutivo a iniciativa da Adobe em permitir o download de sua suíte de aplicativos conhecida como CS2.

Os softwares já estavam superados pelos seus próprios sucessores, porém é de interesse de muitos profissionais ter à mão ferramentas com o poder do fabuloso Photoshop, mas a história não passou de um grande mal-entendido.

A Adobe apenas cancelou os servidores de ativação para a suíte CS2. Isso significa que um usuário que tem produto registrado não precisará mais das famosas chaves de ativação, mas deverá inserir seus números seriais válidos, ou seja, deverá TER UMA LICENÇA PAGA.

Para quem usa ferramentas opensource a notícia não fez muita diferença, pois os conjuntos de aplicativos desenvolvidos para as mesmas finalidades estão cada vez mais robustos, dispensando aos poucos os softwares proprietários mais importantes no meio profissional.

Para quem não vive sem Adobe, ouvi a risadinha do Sérgio Mallandro.

Time Lapse – Inkscape


Esse é meu primeiro “Time Lapse” com Inkscape. Antes eu chamava esse tipo de vídeo de “Speed Painting”, fazendo menção ao grandioso artista Nico DiMattia, do qual sou fã e que me apresentou a técnica de fazer vídeos em velocidade acelerada para demonstrar sua técnica de pintura digital. Achei a idéia muito interessante e resolvi imitar. Foi aí que, ao compartilhar uns vídeos no grupo de discussão de ilustrações Ilustragrupo, do qual participo, recebi um esclarecimento uanto ao uso correto do termo “speed painting”. Na verdade, nada ele tinha a ver com a técnica do Nico, que também o utiliza erroneamente. Speed painting são aquelas pinturas em grande escala onde o artista plástico faz quadros de forma muito rápida usando as mãos, pincéis, brochas e, por vezes, o próprio corpo. A ação costuma se dar ao vivo, em eventos característicos.

Portanto, o amigo Newton Verlangieri, do Ilustragrupo, chamou-me a atenção para a bem-vinda correção: o nome desta técnica de se produzir vídeos se chama Time Lapse. Agradeço ao nobre profissional. Prova de que sua dica perpetuará será a adoção do termo nos vídeos que produzirei daqui em diante.

Nesse “primeiro time lapse” demonstro uma ilustração concebida em Inkscape, o formidável software de desenho vetorial da categoria open source. Observem com carinho mais um dos brilhantes produtos da engenharia colaborativa “open” em ação.